Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

#2.15 - baixo custo

               Mesmo sob o risco de soar a “velho”, o digo: Andar de avião já não é o que era. As low costs vieram ajudar a carteira mas estragaram a experiência que era cruzar a tropo-esfera dentro de uma lata com asas. Cortam em tudo o que é custo e quem se lixa é o amante do ar, aquele que adora ver o seu filmezinho e que até, acreditem, gostava da comida de aviões.

            Estive uma semana fora de Portugal e fiz 3 viagens de avião. Todos em low cost obviamente, ou não fosse eu o indivíduo mais desempregado de Lisboa. De moedas contadas lá se acertaram aeroportos e horários e parti em viagem. Apenas para ficar triste e desiludido. A crise não só nos impede de comprar prendas de natal (use desde já esta fantástica desculpa grátis patrocinada pelo stand-upmagazine.com) como retirou os pequenos prazeres e gestos característicos que haviam em voar. E nem estou a falar em hospedeiras giras.
            Começa no entrar e sair do avião. Já não carrinhos que nos transportem. Vão a pé e é se querem. Culpem mas é quem fez os aeroportos tão compridos. De mala na mão lá se vai à chuva, ao vento e aos reactores pela pista fora, sem qualquer tipo de guia. Formiguinhas em fila, que ao mínimo nevoeiro se espalharam pela Europa em voos desconexos.
            Quando lá chegamos o ambiente é o do costume. Hospedeiras à porta dizem olá em 17 línguas perceptíveis e em Francês, sempre de sorriso. Mas é tudo para enganar. Depois procuramos lugar para sentar e dá-se o segundo choque. Como não há lugares marcados parece uma loja em saldos, na época do natal. Mulheres e homens a correr desenfreadamente para ficarem nas janelas. Vão o quê? Perder aquela foto das nuvens com meia asa desfocada em primeiro plano? Por favor.
            Depois vem a comida. Dantes era uns pratos intragáveis que só eu gostava no universo. Agora, aquela salada de frutas fria e a “omelete de borracha” já não parecem tão maus. Café? 1.50 euros. Kit Kat? 3.50 euros. Passar fome? Grátis. Fiquei genuinamente surpreendido quando me pediram dinheiro, mas nem de perto com o que vi a seguir. As instruções de segurança. Nunca, mas nunca julguei que alguém pudesse apontar para uma saída de emergência com tão pouco entusiasmo. Aquilo que era uma coreografia agradável e típica do momento é agora um moroso frete de uma mulher sobre-maquilhada. Já não há amor quando fingem que enchem o colete ou apertam e desapertam os cintos no ar. Há desgosto. Triste. Olhares vazios e sem alma.
            No entanto, alguns momentos serão para sempre eternos nos voos de avião. E este em particular faz-me confusão. O avião aterra, começa a abrandar e do meio do zumbido que todos temos nos ouvidos… palmas. Toda a gente bate palmas. Porquê? É estatisticamente mais provável morrerem num desastre de automóvel que num de avião, mas todos rejubilam como se o Ruy De Carvalho tivesse lido poesia. Nunca ninguém me bateu palmas quando estacionei o carro às 4 da manhã no Bairro Alto. Numa rua a descer. Só com pontos de embraiagem. É porque conduziu muita gente ao mesmo tempo que tem direito a palmas? Já vi famílias enxovalhadas em carrinhas a caminho da Costa da Caparica durante o verão a terem viagens mais perigosas. 
            A minha pergunta é: Queremos continuar a viajar em verdadeiras tascas ambulantes? Em verdadeiras feiras da ladra do ar? Onde até raspadinhas nos tentam impingir entre idas à casa de banho? E apenas pelo baixo custo? É um verdadeiro dilema actual, que em tudo nos deixa perplexos com o estado da actual crise. Sou a favor de um revivalismo do turismo do ar. Sou a favor de um mundo onde se receba pouco por um bilhete mas se demonstre o mesmo tipo de amor e entusiasmo do “antigamente” dentro de um avião. Uma palma de cada vez.
 
            Ainda a estalar tímpanos,
            Guilherme Fonseca
tags:
publicado por Guilherme Fonseca às 01:19

editado por standupmagazine em 13/12/2008 às 13:36
link do post | comentar | favorito

.O Autor

Todas as Quintas o humorista Guilherme Fonseca publica um novo texto!

.textos recentes

. #2.42 - Ponto final. Pará...

. #2.41 - abstenho-me

. #2.40 - game on!

. #2.39 - let's talk about ...

. #2.38 - a angústia dos ch...

. #2.37 - grandes porcos

. #2.36 - análises aos exam...

. #2.35 - orgulhosamente ac...

. #2.34 - primeiro dia

. #2.33 - treme treme

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

.leituras

Contador de visitas