Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

#12 - negligência higiénica

            Eu vou directo ao assunto hoje! Não quero cá rodeios! O que esta crónica trata é da máxima importância e não precisa de introdução ou preparação ao leitor. Se bem que convém lerem isto sentados, não vá “o diabo tecê-las”. (“Tecer o quê” perguntam vocês? Eu respondo que “não sei”, que nem sabia que o “Príncepe do Mal” andava numa de tecelagem.”)

            Como vos tenho habituado ultimamente sempre a uma mesma linha de pensamento nestas minhas crónicas aqui vai o terceiro e último capítulo da saga “corpo humano”, tema que, obviamente, me fascina perigosamente em demasia. Mas pronto, aqui vai!

Vocês fazem ideia, a mais pequena que seja, de como o vosso umbigo cheira mal? Estou a falar muito a sério! Eu sei que vocês são pessoas “limpas”. Eu pelo menos sei que sou! Ou pensava que era até há momentos. E insiro-me na mesma categoria de “normalidade” que todos vocês! Eu tomo banho todos os dias. Lavo-me com descrição e atenção, com amor aos pormenores, aos cantos recôndidos e escondidos. Caraças, tenho uma vida social a manter. E uma sexual também! Ou pelo menos gosto de pensar que sim. E sendo assim, eu sei o que limpo e como limpo, ok?

Mas nada me preparou para este encontro imediato de terceiro grau. O meu umbigo cheira mal “pa’ c*r*lh*”! E o vosso também, ouçam o que vos digo! Ninguém nos disse que tínhamos de o limpar ou que alguma vez sujidade se alojava ali, pois não? Não fomos guiados ou informados para isso! Não há disciplina na escola ou cadeira na universidade que nos preparam para isto, é que nem mesmo um pai mais cuidadoso e amoroso com um domingo vazio e sem futebol.

Eu “acidentalmente” (qualquer dúvida aqui eu recorro à “5ª emenda” para responder) espetei um mindinho no umbigo e reparei no que lá se passava. É como uns pais que deixam os filhos sozinhos umas horas e voltam com uma exposição do Dalí pelas paredes e sofás do Ikea. O meu dedo nunca mais será o mesmo e duvido que volte a ter sensação de olfacto alguma vez na vida. (Aqui têm de se esforçar para tentar imaginar que o meu dedo alguma vez teve sensação de olfacto, ok? Não vos posso fazer a “papinha” toda.)

Mas também, a culpa disto é minha! Primeiro ninguém me mandou aventurar-me por orifícios “nunca dantes navegados”. Nota ao próprio: tenho de começar a dormir de t-shirt. Segundo, porque é que nunca me lembrei do umbigo? Ele sempre esteve ali. Só. No seu local, sossegado. Nunca pediu nada em troca, nem sequer atenção. Nunca chamou por mim nem me chateou com pedidos ou exigências. E eu nem um cotonete lá consegui enfiar! Que vergonha.

Srs e Sras, eu sou um porco! E não só sou porco como sou um mau “dono” para algumas selectas partes anatómicas do meu corpo. Descobri que não estive atento ao que interessava e negligenciei o meu umbigo. Será que há mais alguma parte do meu corpo que se sinta em igual estado de desgraça e abandono? Fala comigo, corpo! Um calcanhar? Uma nuca? Um cotovelo? Tenho de ir à revisão.

E vocês? Querem mesmo ser como eu? Querem? Travem amizade com o vosso umbigo, é o meu conselho para esta semana.

 

Guilherme Fonseca   

tags:
publicado por Guilherme Fonseca às 00:02
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Eduardo Ramos a 28 de Fevereiro de 2008 às 18:26
Se convivesses mais comigo saberias que uma das expressões que tenho é; “ …é pior que p sebo do umbigo.”
Se falasses mais comigo eu ter-te-ia ensinado que há outros sítios bem mais mal cheiros que o umbigo. Experimenta esfregar um dedo por detrás da orelha. Desde a parte de cima até em baixo. Mesmo no junta que liga o crânio à orelha. Acredita. É das piores coisas.
Se travássemos algumas palavras de vez em quando, saberias que pior que tudo e mais alguma coisa, é ter carne metido entre dentes há uns 4 dias. O hálito é igual ao de ter comido merda. Eu sei o que é. Sofro com isso…. Não porque seja eu… mas porque… conheço uma pessoa que é assim e… já estive por mais do que uma vez quase a vomitar em cima dele.

Podias saber dessas coisas todas… mas não sabes… porque não me ligas nenhuma.
JÁ VISTE A SORTE QUE TENHO?



De Guilherme Fonseca a 28 de Fevereiro de 2008 às 22:47
Ó Eduardo,

Com esse comentário até dá vontade de dizer que com esses problemas todos de higiene NINGUÉM vai falar contigo... lol

Mas para te responder, eu agora ando em rodagem das curtas para a universidade, para o meu curso de cinema, portanto vai levar um bocado para eu conseguir com calma vir aqui...

... e com ainda mais calma dormir mais que 4 horas por noite... =)

Mas pode ser que a rodagem dê resultado numa crónica! "Mi aguardem" =)

Eu voltarei com mais tempo, mais linhas de crónica e a mesma quantidade quase efemera de piada... é uma promessa!

Tu peço-te que voltes com um banho tomado, senão afujentas-me leitores...

hug,
gui


De RIR a 28 de Outubro de 2010 às 19:31
Não sei a que tipo de higiene estão habituados, mas a mim não cheira mal ... Boa tentativa na parte do ".. o vosso também cheira ..." isso serviu para te aliviar a consciência ??

A educação vem de casa, a instrução vem da escola ... E sim, higiene é um principio básico, logo deve vir de casa...

Somente a minha idea


Comentar post

.O Autor

Todas as Quintas o humorista Guilherme Fonseca publica um novo texto!

.textos recentes

. #2.42 - Ponto final. Pará...

. #2.41 - abstenho-me

. #2.40 - game on!

. #2.39 - let's talk about ...

. #2.38 - a angústia dos ch...

. #2.37 - grandes porcos

. #2.36 - análises aos exam...

. #2.35 - orgulhosamente ac...

. #2.34 - primeiro dia

. #2.33 - treme treme

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

.leituras

Contador de visitas