Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

#25 - vais?

            Podia estar a falar do Rock in Rio por ser o maior concerto dado na cidade de Lisboa, por ser um dos maiores dados em Portugal, ou mesmo na Europa. Já agora, pelo bem da ideia e da enumeração deixe-me dizer do mundo também. Podia estar a falar do Rock in Rio porque é um dos festivais da moda. Podia estar a falar do Rock in Rio porque vai encher Lisboa de artistas de renome. Pronto, de alguns artistas de renome. Podia também estar a falar do Rock in Rio por estar farto dos anúncios com a “sempre excitadíssima” Carolina Patrocínio, esta rapariga inteligente que até no nome arranjou hipótese de fazer dinheiro. Podia até estar a falar do Rock in Rio porque começa amanhã, mas não. Estou a falar do Rock In Rio porque estou simplesmente farto que me perguntem se “eu vou”. 

            O Rock in Rio, abreviado alegremente como RiR por quem quiser, está na sua terceira edição em terrenos lusos, e na sua totalidade começou no belo ano de 1985, quando o David Hasselhoff ainda sabia o próprio nome. Importando do Brasil, mas sem as coisas boas comestíveis que de lá vêm, arranjou na Bela Vista um espacinho e “abancou” durante três edições. Para quem não sabe, e convém que se mencione porque não parece, é um festival de solidariedade. Sim, solidariedade. Em que outro local do mundo os 4taste tocariam no mesmo palco dos Metallica? Ou as Just Girls no mesmo palco da Joss Stone? Ou os Xutos no mesmo palco de… bem, os Xutos num palco?
            Embora não pareça à primeira vista, isto de brincar aos músicos é um gigantesco empreendimento. Posso partilhar alguns números. Sim, eu comprei o Sol. Por exemplo, a área VIP, esse antro de lagosta e champanhe, leva 2 mil pessoas por dia. Impressionante como se chama VIP, um bilhete custa 200 euros, mas ninguém que lá vai estar pagou alguma coisa. A tenda VIP devia chamar-se, a tenda “cunha” ou a tenda “tenho melhores amigos que tu”. Se conhecerem alguém que tenha pago os 200 euros digam-me, para me rir. Outro exemplo, trabalharam cerca de 200 pessoas na limpeza da cidade do Rock. Não posso deixar de comparar com outro grande festival, o Sudoeste, em que toda a complexa e gigantesca equipa de limpeza é composta por cerca de 2 pessoas, e uma está na praia. Mas é natural que o RIR tenha esta quantidade de gente na limpeza, porque a quantidade de lixo produzido alcança as 160 toneladas. Não sei de quê, tenho de confessar, mas parece que há “cd’s” juvenis que já chegaram a platina. Há mais informações engraçadas e totalmente desnecessárias para a nossa sobrevivência. Sabiam que cerca de 300 pessoas, por minuto, podem cruzar o pórtico de acesso ao festival? Para que serve saber isto? Porque assim não olhamos tanto para o cartaz que eles arranjaram este ano.
Cerca de 90.000 pessoas são esperadas apenas no primeiro dia, esgotando o concerto de Paulo Gonzo (aquele carequinha romântico que vai tocar quando vocês ainda estiverem a franzir os olhos para perceber se já começou alguma coisa, de gelado e cerveja na mão), Ivete Sangalo (a “cola” do festival, que só lá está porque tem uma música chamada “mama toda”. Não estou a inventar, investiguem.) Amy Whinehouse (que veio pela mão da Bet and Win claramente, fazendo com que toda a gente perca o dinheiro equivalente a um bilhete VIP apostando que ela ainda vem.) e Lenny Kravitz (que vai fazer um esforço louco para acordar do coma todos os fãs hardcore da Amy no final da noite). O resto dos dias é mais enfadonho no que consta a fazer piadas. Dia 31 conta com a presença de Alanis Morissete e Bon Jovi, é o dia do “amor à terra e ao próximo”. Dia 1 de Junho tem Xutos e Tokio Hotel, é o dia da “mistura de bandas sem nexo dando-se o nome de dia dos restos”. Dia 5 conta com Moonspell, Apocalyptica e Metallica, é o dia do “por favor, tenham cuidado de noite que esta gente anda sempre de preto e não se vê ninguém”. O último dia, 6 de Junho, é o dia de Muse, Offspring e Linkin Park, a que se dá o nome de “dia de juntar bandas que já fizeram coisas de jeito mas morreram musicalmente à uns anos atrás”. Belo cartaz, não?
Estas fantásticas estrelas, que vos fizeram pagar 53 euros do vosso dinheirinho, fizeram uns pedidos absolutamente deliciosos à produção do espectáculo. Por exemplo, a Ivete Sangalo quer toalhas novas em folha e pretas. Porquê pretas, Ivete? Não queres papel higiénico a condizer, já agora? Os Bon Jovi querem canja de galinha. Vão tocar tão bem que já esperam acabar enjoados? Os Metallica querem 2 bifes crus e 12 garrafas de cerveja. Não adoram as proporções na alimentação deste pessoal? Os Xutos fizeram ainda uma exigência, querem um litro de sangue da Amy Whinehouse engarrafado para destilar e vender na Cova da Moura. 
Não, amigos, não vou ao RiR. Amanhã à noite não vou estar a passar nas portas do recinto com mais 199 pessoas em menos de um minuto, nem a beber um dos 835 mil copos de cervejas que se estima que vendam durante os 5 dias. Não vou pagar nem essa quantidade de dinheiro por bilhete, nem perder esse tempo. Festival é no Sudoeste, em que se dorme numa tenda, inclinado e de pedras nos rins. Ao calor e sem conseguir usar a casa de banho durante 1 semana. Isso sim é um festival, não é um espectáculozinho onde há “limpeza” e “higiene”. Olhem, com sorte pode ser que chova amanhã à noite. A falta de banho pode ser que vos faça mais dignos e festivaleiros. Isso, ou irem vender com os Xutos o sangue destilado da Amy.
 
Guilherme Fonseca
tags:
publicado por Guilherme Fonseca às 00:27
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De N a 29 de Maio de 2008 às 01:19
tira os muse do grupo dos mortos e enterrados e tou contigo ;)


De Pai a 29 de Maio de 2008 às 02:10
eu até ia ver a amy winehouse.... da família dos winehouses, ou seja, carrascão pelo lado da mãe e médico coxo pelo do pai.
mas como essa gaja não vem de certeza ( amanhã engulo o desaforo.... ) não vou RIR de certeza :)
boa crónica, guilherme
abraços do teu jogador de golf favorito.


De Chica a 29 de Maio de 2008 às 16:14
"Festival é no Sudoeste, em que se dorme numa tenda, inclinado e de pedras nos rins. Ao calor e sem conseguir usar a casa de banho durante 1 semana. Isso sim é um festival, não é um espectáculozinho onde há “limpeza” e “higiene” " Apoiadíssimo! Vivam os festivais À SÉRIA, fora com o RiR! *


Comentar post

.O Autor

Todas as Quintas o humorista Guilherme Fonseca publica um novo texto!

.textos recentes

. #2.42 - Ponto final. Pará...

. #2.41 - abstenho-me

. #2.40 - game on!

. #2.39 - let's talk about ...

. #2.38 - a angústia dos ch...

. #2.37 - grandes porcos

. #2.36 - análises aos exam...

. #2.35 - orgulhosamente ac...

. #2.34 - primeiro dia

. #2.33 - treme treme

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

.leituras

Contador de visitas